(Resenha) Five Nights at Freddy's: Ótimo para os fãs, fraco para o público casual.


Na semana passada, aconteceu em quase todo o mundo a estreia do filme Five Nights at Freddy's, filme muito aguardado pelos fãs da saga dos videogames, que passou por múltiplos problemas de produção, atrasos e modificações. Acabou bem apesar de tudo? Esses oito anos de espera valeram a pena? Descubra abaixo:

AVISO: A resenha conterá spoilers do filme. Se você ainda não viu e prefere não estragar a experiência, continue por sua conta e risco.

Em primeiro lugar, para entender a história de Five Nights at Freddy's, é preciso esquecer que se trata de jogos... bem, não. Embora, se você ainda estiver lendo o artigo, eu não apenas presuma que você assistiu ao filme, mas também que você tem uma ideia mais ou menos geral da história estabelecida no universo dessa saga, tanto em seus nove videogames quanto em seus vários livros.

Como é de conhecimento geral, o filme adapta livremente os eventos do primeiro jogo, apresentando-nos a um Mike que, prestes a perder a custódia de sua irmã mais nova Abby para sua tia Jane, precisa aceitar um emprego como segurança na lendária Freddy Fazbear's Pizza, que não abre as portas há pelo menos 20 anos. Por meio de várias circunstâncias ao longo do filme, Mike descobre uma conexão assustadora entre a misteriosa pizzaria e o sequestro de Garrett, seu irmão mais novo, que ele não conseguiu impedir quando criança e que o assombrou por toda a vida.

Junto com sua irmã mais nova e a policial Vanessa Shelly, ele espera que esse novo lugar possa lhe dar as respostas de que precisa, mas as coisas pioram quando ele descobre que os animatrônicos, que eram a grande atração da pizzaria em seu auge, ganham vida à noite.


Em princípio, podemos observar diferenças claras em relação ao videogame de 2014. A mais óbvia delas é a mudança de nome da irmã de Mike, que antes se chamava Elizabeth. Além disso, para conseguir uma reviravolta na reta final do filme, William Afton passou a ser o pai de Vanessa e, por sua vez, o assassino de Garrett (que não tem nome no videogame).

Ao mesmo tempo, foi introduzido um motivo para que o protagonista trabalhasse na Freddy's em primeiro lugar, sendo, nesse caso, a disputa legal com sua tia, com a qual ele só poderá lidar se conseguir um emprego. Essa subtrama não existe no videogame, e acho que foi uma boa escolha que consegue desencadear os eventos do filme de forma natural.

No entanto, fiquei impressionado com a forma como a conclusão dela, produto de um final claramente apressado, não deu em nada. Quero dizer, ela foi morta pelo Golden Freddy, e o que mais? Não vimos nem mesmo uma cena de Mike e Abby conversando sobre isso.


Ainda assim, acho que o filme faz um bom trabalho ao explicar a história mais simples da franquia, embora, certamente, se você não estiver familiarizado com a saga, não seja uma boa opção começar pelo filme. É um produto feito para os fãs: serão eles que entenderão as referências mais rebuscadas e, acima de tudo, que poderão entender o motivo de algumas cenas sem que o filme as explique diretamente. Por exemplo, o motivo pelo qual os animatrônicos não mataram Mike e Abby, quando poderiam ter feito isso em primeiro lugar.

Esse problema também afeta o personagem de William Afton e toda a sua história. Os fãs da saga já conhecem suas motivações e sua história de fundo, mas no filme absolutamente nada é exposto e, no final, ele parece um personagem vazio.  Para um filme inspirado em uma obra com muito conhecimento a ser extraído, isso parece um desperdício. Sua reviravolta é desperdiçada, pois não transmite a emoção que deveria, e a produção de uma possível sequência que poderia se aprofundar em seu personagem - com os números muito bons que ele está gerando em todo o mundo - não deveria justificar o erro do filme.


Acrescente a isso o fato de que tudo parece ser tão casual para os protagonistas, que não há surpresa neles. Mike parece não ter percebido que o assassino era o mesmo cara que lhe deu o emprego no Freddy's para começar. E se você não consegue capturar um senso de surpresa nos atores, dificilmente conseguirá capturá-lo no público.

Acho que os atos iniciais e intermediários do filme fazem um ótimo trabalho na execução da história. O último ato é onde ele cai e assume um ritmo mais apressado, devido aos problemas que mencionei anteriormente. 

Aproveito esta oportunidade para defender a infame cena dos animatrônicos brincando com Mike, Abby e Vanessa. Embora pareça fora de sintonia com o tom do filme, o fato é que os animatrônicos ainda são crianças. É uma cena bem feita com esse detalhe em mente, pois acrescenta a morbidez que o filme infelizmente não conseguiu aprofundar para o público casual. Mas eu realmente gostei de assisti-la no cinema.

E falando sobre os animatrônicos. Eles fizeram um excelente trabalho. Eles foram literalmente tirados do jogo. Eles me deixaram sem palavras. Talvez eles pudessem ter gerado mais medo e, quem sabe, em uma próxima edição, protagonizar cenas mais violentas ou cruéis. Além disso, os jumpscares em geral me pareceram fracos. Esse é outro aspecto que terá de ser melhorado se a trilogia que a produção estava planejando for alcançada. Mas, no geral, adorei o trabalho.


A direção e a trilha sonora não deixam a desejar. Embora o filme caia no último ato em termos de execução, é nessa reta final que acho que a direção está em seu melhor momento, tanto nos atores quanto no trabalho de câmera. Por outro lado, a música é tudo o que se espera de um filme de Five Nights at Freddy's (sim, inclusive aquela música). E a maneira como eles recriaram a Freddy Fazbear's Pizza à sua própria maneira é alucinante e merece todo o crédito.

Resumindo, Five Nights at Freddy's é uma carta de amor para o fandom, mas se você planeja entrar na história da franquia com o filme, é melhor procurar um vídeo de 5 horas (ou talvez 8) no YouTube.

Pontuação: 9,2/10

Hernán Carrasco

Dueño de TVLaint